Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A cabeça e o rabo do touro (314)

Como salientou Robert Graves: “ Nas comunidades agrícolas primitivas, o recurso à guerra é raro e o culto de uma deusa é a regra. As comunidades de pastores, pelo contrário, tendem a fazer da luta um mester e, talvez, porque os touros e os carneiros dominam os respectivos rebanhos… é frequente adorarem um deus celeste macho, representado por um touro ou um carneiro. “Zeus entrava talvez nesta categoria. De qualquer modo, o tema do touro é rico em associações; e tenho certeza de que um estudo etnológico e religioso das reminiscências mitraístas na tauromaquia provençal, por exemplo, estabelecerá um dia a ligação não só entre o aspecto sacrificial e a mitologia taurina em diferentes países, mas também entre esta e o aspecto ritual o combate entre cães contra o touro tal como é representado nos vasos cretenses. NOVIDADE?
Mensagens recentes

As árvores do jardim, o provincianismo autárquico e a política da novidade traduzida em votos (313)

Até há pouco tempo tinha Montemor-o-Novo uma invejável característica: o prazenteiro sopro do tempo fazia sentir-se no ciclo solar dos dias adornados pelas estações do ano que me incitavam a demorados passeios pelo campo. Não se trata de uma ilha grega, é certo, mas sentiam-se-lhe os eflúvios Mediterrâneos, a sensatez das oliveiras e, do alto do castelo, observava-se, e observa-se, o mundo inteiro e o Monfurado.  Gabava-se a cidade de possuir meia dúzia de ideias mais ou menos claras e arrumadas sobre o que é certo e não é certo relativamente à política urbana. A causa do bem-estar que se sentia tinha uma razão de ser: a pequena cidade era agradável de habitar, estendendo-se da encosta norte vinda aos tropeções do castelo até ao vale que existe entre os montes sobranceiros, provindo de vida as ruas e os largos, as pessoas e os bichos da terra. Sabemos que o aspecto das cidades tende a alterar-se com o tempo: calamidades naturais, cenários de guerras ou devido a fal

O bom pastor (312)

O Bom Pastor. 140 x 190 cm. Grafite e carvão s/ papel de 200g. 2019. Por vezes, as palavras amarram de tal maneira a pintura no que se pode chamar a articulação da teoria entre as palavras e as formas visuais que definem os processos da arte que a imagem original desaparece para dar lugar a outra coisa. Tenho nesses momentos a sensação de que existem palavras a mais, ainda que também eu mergulhe nesta pandemia de tentar explicar o que por vezes é apenas para sentir e que se faz para ser olhado. Um pouco por todo o lado o diagnóstico repete-se e perspectiva-se como um elemento aglutinador: há na realidade palavras a mais sobre a pintura, palavras a mais que comentam e devoram a prática da pintura, que vestem e mascaram e transfiguram o “tudo serve” em que quase tudo que é arte se transformou. Levei tempo a precisar o que é necessário ser dito e o que vale a pena dizer, mas não sei ao certo se vale a pena dizê-lo diante de tantas palavras e ideias sobre o assunto. Sob pena de

Os desenhos sem fim (311)

Cartazes desenhados #7 (310)

                               ©JMG

cartazes desenhados #6 (309)

                                ©JMG

Cartazes desenhados #5 (308)

      ©JMG